sábado, 25 de julho de 2015

UM NÃO PROBLEMA...

 NOTÍCIA DISPONÍVEL EM

O vereador do Bloco de Esquerda na Câmara de Salvaterra de Magos, Luís Gomes, na última reunião de Câmara, apelou à inclusão de obras que reflictam os vários tipos de comportamentos sexuais, nomeadamente, os que atendem à sigla LGBTI (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transsexuais, e Intersexuais - vulgo hermafroditas) por parte das bibliotecas do concelho, por entender que "este tipo de espaços devem promover atmosferas inclusivas", "sem preconceitos ou discriminação". Apelou ainda à promoção de ações com as organizações LGBTI. Por fim, e ainda neste âmbito sugeriu a criação de seções dedicadas à temática nas bibliotecas concelhias.

Na resposta, o presidente da Câmara, Hélder Esménio, recusou a ideia de se criar o que chamou de "cantinho do gay" nas bibliotecas, ou qualquer outra forma de "discriminação positiva". "Não aceitamos lições do Bloco de Esquerda, temos um comportamento isento e inócuo perante as diferentes religiões, credos, sexualidades", referiu, alegando contudo que está disponível para receber as obras ou outras iniciativas mas que a decisão depende dos  técnicos da Câmara e não do poder político. "Estamos sempre disponíveis para receber quem nos procura".
Luís Gomes lamentou as palavras - "É triste ouvir estas declarações, e que associe os gays ao Bloco de Esquerda". Esménio rispostou - "Não queremos criar a possibilidade de outros frequentadores apontarem o dedo - Olha ali aqueles gays a lerem livros!, A sociedade deve ser vivida como um todo e felizmente no nosso país, apesar de alguns maus exemplos, temos um comportamento correto perante as diferenças de sexualidade". Neste âmbito, o vereador Francisco Naia juntou - "Uma vez fui a uma feira do sexo, e pude comprovar que a secção dirigida ao público gay estava vazia, supostamente as pessoas têm medo de ser rotuladas e evitam essas secções". "Estamos perante mais um exemplo de soberba intelectual do Bloco de Esquerda e do clientelismo que gravita em torno deste partido", concluíu Esménio. Luís Gomes mais uma vez voltou à carga - "Não nos ofenda, e vá visitar bibliotecas a sério, onde os livros sobre a temática se referem a obras de caráter científico".



Sílvia Agostinho


NOTÍCIA DISPONÍVEL EM

O presidente da Câmara de Salvaterra de Magos, Helder Esménio (PS), enquanto gerir o concelho não vai permitir que as bibliotecas tenham "cantinhos" com literatura para lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transsexuais. Esta é a resposta do autarca a uma recomendação dos vereadores do Bloco de Esquerda, que pretendiam que fossem criados espaços para estes grupos devidamente identificados com placas, como as que existem a dizer literatura infantil ou economia.
A proposta dos bloquistas, apresentada na última reunião do executivo, foi reprovada por maioria, com três votos contra do PS e três do PSD. O assunto provocou uma acesa discussão na reunião, com o presidente do município a dizer que não está disponível para fazer discriminações. "Não estou disponível para fazer discriminação positiva. Somos democráticos e respeitamos a liberdade e escolhas de cada um”, referiu Helder Esménio.
O presidente da autarquia disse ainda não aceitar “a ideia que os gays são do Bloco de Esquerda e os heterossexuais de outro partido qualquer. Não vamos criar a secção do gay, do macho ou do toureiro, porque isso é que discriminar", justificou Esménio. O autarca garante que enquanto for presidente não haverá o "cantinho dos gays e lésbicas, porque isso não é respeitar as escolhas das pessoas", sublinhou.

1 comentário:

  1. ????????????????
    Não havia nexexidade, zzz, zzz.

    ResponderEliminar