quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

PONTO DA SITUAÇÃO DA SAÚDE NO CONCELHO


O tema da saúde, ou dito de outra forma, as falhas do Serviço Nacional de Saúde no nosso concelho ultrapassam em muito as falhas que o sistema tem, em média, nos outros concelhos do País. 
Mais de metade da população do concelho de Salvaterra de Magos (59%),  mais exactamente 13.000 pessoas, não têm médico de família.
O concelho conta agora com apenas 6 médicos, dos 12 que devia ter, e daqueles está ainda para breve a aposentação de dois deles.
Estes factos a que acresce a recente fusão dos dois Agrupamentos de Centros de Saúde (ACES) que serviam a região da Lezíria do Tejo, levaram os autarcas socialistas a pedir uma reunião com a nova directora do ACES da Lezíria, Drª Paula Rodrigues, que se concretizou na passada 6ª feira, dia 8 de Fevereiro.


Os Presidentes de Junta eleitos pelo Partido Socialista - João Batista Oliveira (Glória do Ribatejo), Fátima Gregório (Marinhais) e César Diogo (Muge) - a que se associaram o vereador Helder Esménio e o deputado municipal Nuno Antão, apresentaram à nova directora executiva do ACES o conjunto de preocupações que tinham, explicaram que durante largas semanas a povoação da Glória do Ribatejo tinha ficado sem médico de família por motivo de férias da médica que lá presta (esforçadamente) serviço. Lamentaram que o concelho de Salvaterra de Magos esteja a ficar prejudicado em relação à média dos cuidados de saúde que o país disponibiliza aos portugueses. Chamaram de novo a atenção para o facto de se terem encerrado os postos de saúde de Muge e do Granho e que havia queixas de alguns utentes do SNS daquelas duas freguesias por não conseguirem sequer a marcação da consulta electrónica.

A Drª Paula Rodrigues (ACES), agradeceu o cuidado dos autarcas presentes em lhe transmitirem as preocupações da população que representam e disse que havia no País escassez de médicos, que não tinha informação da possível contratação de mais médicos no estrangeiro e que o concelho tinha de facto um problema de fixação de quadros médicos. Com o actual número de médicos era impossível reabrir as extensões de saúde encerradas, mas que ia tomar nota para tentar solucionar o problema da marcação de consultas pela internet, no caso do problema ainda se manter. A ideia era que os utentes dos postos de saúde encerrados usassem o Portal da Saúde para a extensão da Glória do Ribatejo.
Confirmou que estava aberto um concurso para colocar 2 médicos no concelho, prevenindo a reforma dos que se esperam saiam, mas que o número de candidaturas estava abaixo do número de vagas pelo que não podia garantir que elas fossem preenchidas. Informou que actualmente a forma de minorar a falta de médicos era com base em contratos trimestrais com empresas prestadoras de serviços que colocam pontualmente médicos. Está assim em Marinhais uma médica que à 3ª, 4ª e 5ª feira ajuda o médico que ali presta serviço permanentemente. A novidade que os autarcas socialistas obtiveram foi a de que para a Glória do Ribatejo está também previsto que um médico ali preste serviço à 3ª feira, todo o dia, e havendo a expectativa de que se possa arranjar mais alguém que garanta as restantes 12 horas semanais contratadas. 
Pediram os autarcas socialistas confirmação de que a população do concelho, em face deste serviço tão deficitário, podia recorrer sem limitações ao SAP de Benavente e ao SAP de Coruche. A resposta a este pedido veio no fim-de-semana por email: "Ainda no que diz respeito à utilização do SAP de Coruche pelos residentes do concelho de Salvaterra de Magos, informo que tal utilização é possível, à semelhança da utilização do SAP de Benavente, sendo os utentes do conselho de Salvaterra inscritos como esporádicos."
Insistimos na necessidade de se avançar rapidamente com a construção da nova extensão de saúde dos Foros de Salvaterra, pois as actuais não têm as necessárias condições higieno-sanitárias, facto que era já do conhecimento da Srª directora executiva. A resposta que os autarcas socialistas obtiveram a esta questão foi: "Relativamente às instalações da extensão de Foros de Salvaterra, confirmo que está previsto, em 2013, retomar o processo de construção de novas instalações interrompido por falta de visto do TC [Tribunal de Contas]."
Ainda que no seu conjunto as notícias obtidas estejam muito aquém das necessidades do concelho, foi para nós evidente que estivemos na presença de alguém que quis e soube ouvir as nossas preocupações e que comunga dos mesmos propósitos.

Sem comentários:

Publicar um comentário